Fibras de Ciclo Renovável 

 

A árvore de Faia, mais conhecida como "mãe da floresta", tem uma madeira considerada como "matéria-prima única" na indústria de fibras, sendo certificada como compostável e biodegradável  em condições industriais, domésticas, de solo e marinhas. Além de amigável ao Planeta e ao nosso corpo, a Faia é extremamente resistente a pragas, pestes e doenças. Cresce pelo processo de multiplicação via “rejuvenescimento”, o que significa que as árvores crescem por si só, sem necessidade de plantio ou irrigação - o que torna seus bosques recursos completamente sustentáveis. Na prática, isso significa que o equilíbrio ecológico em seus bosques é constante, e a Faia funciona como uma espécie de "escudo protetor" contra os perigos naturais. É, ainda, um reservatório de água potável, lugar de lazer e habitat natural de animais e plantas.

CICLO RENOVÁVEL

As unidades de recuperação do fabricante permitem que a matéria-prima empregada na produção de suas fibras seja reutilizada de diversas formas, sendo assim considerado um têxtil de "Ciclo Renovável". Essa característica fez do fabricante uma referência mundial em termos de gerenciamento de reciclagem. A tecnologia empregada em sua produção utiliza química à base de oxigênio, sendo assim reconhecida como um ciclo produtivo 100% ecológico e renovável "desde a poupa até à fibra". 

NEUTRA EM CARBONO 

Assim como outras alternativas sustentáveis que compõe a nossa produção, o tecido de fibra de faia é produzido a partir de uma cadeia produtiva de controle de C02, incluindo artigos com destacados índices ambientais em seus ciclos de produção. Isto garante sustentabilidade e rastreabilidade desde a origem da matéria-prima até a produção final do fio têxtil. A fibra de madeira de faia é neutra em carbono, sendo seu ciclo produtivo considerado de circuito fechado, já que resulta em energia recuperável e subprodutos extraídos a partir do completo reaproveitamento da madeira utilizada para sua produção. 

SUBPRODUTOS

O sofisticado processo de biorrefinaria do fabricante garante que 100% dos constituintes da madeira sejam utilizados para produzir polpa de madeira dissolvida (a matéria-prima mais importante na produção destas fibras de origem botânica) e produtos de biorrefinaria, incluindo materiais de base biológica e bioenergia. Esta ação maximiza a criação de valor a partir de uma economia de perspectiva ambiental. Os processos de produção são otimizados para a extração de subprodutos como o ácido acético, a xilose e o sulfato de sódio, posteriormente aproveitados para a produção de alimentos, vidros e muitos outros. Os resíduos restantes provenientes da madeira são utilizados para a geração de energia em usinas térmicas da própria fábrica onde as fibras são produzidas, permitindo assim que esta seja uma cadeia produtiva totalmente "Zero Waste".

Temperatura Corporal


O tecido sustentável produzido a partir da Faia proporciona peças de extrema suavidade e maciez, além de grande durabilidade. Através de suas propriedades reguladoras da temperatura corporal, as roupas confeccionadas com estas fibras garantem um conforto extra proveniente da absorção e liberação da umidade. Permite-se, assim, que a temperatura corporal seja mantida constante, dando a sensação de pele fresca e seca. 

Tingimento ECO

As fibras de Faia são tingidas através de uma tecnologia inovadora que resulta em uma coloração atraente, dotada de cores vibrantes e menos propensas a desbotar, mesmo após ciclos repetidos de lavagem e secagem. Esta tecnologia ecologicamente responsável oferece estabilidade de cores duradouras e flexibilidade de design em têxteis, características que promoveram sua certificação com o rótulo ecológico de reconhecimento internacional "EU Ecolabel". Este consiste em um certificado de excelência ambiental concedido a produtos que atendem a elevados padrões ambientais ao longo de seu ciclo de vida: da extração da matéria-prima à produção, distribuição e descarte. O rótulo promove a economia circular, tanto pelo incentivo de produtores a gerar menos resíduos e CO2 durante processos produtivos, quanto pelo estabelecimento de critérios de incentivo para que as empresas desenvolvam produtos duráveis, fáceis de reparar e de reciclar.